Revista Política e Planejamento Regional

Editorial da Edição atual

RPPR, Rio de Janeiro, vol. 7, nº 2, Maio a Agosto de 2020, publicado em maio de 2020

This issue is in progress but contains articles that are final and fully citable.

O primeiro ensaio do presente número da RPPR de Ivaldo Lime com o título "Em favor da Justiça Territorial: o encontro entre geografia e ética" explora o escopo teórico-conceitual e o espectro de aplicações práticas da justiça territorial, no intuito de esclarecer o papel desempenhado por valores éticos no processo de produção social do espaço.  Nesse balizamento, a justiça territorial é concebida como a situação socioespacial na qual os vetores que promovem espaços opressores são, efetivamente, combatidos e eliminados ou, idealmente, não existem. Destarte, a argumentação está estruturada em três partes. Primeiramente, são apresentados, brevemente, os fundamentos e os horizontes da ética, bem como reflexões sobre o estatuto ético da categoria ontológica do Outro. A seguir, é abordada a relação mais compreensiva entre ética e geografia, acompanhada de um arrazoado específico sobre a justiça territorial. Na última parte, são exemplificadas aplicações da justiça territorial a contextos socioespaciais, especialmente aqueles discutidos em nossos trabalhos dos últimos dez anos sobre a geografia política da cidade.

O seguinte artigo "Planejamento territorial e escalas espaciais: Uma análise da percepção dos atores sociais em regiões selecionadas do Rio Grande do Sul" de Cíntia Agostini discute como, entre os anos de 2009 e 2010, no Estado do Rio Grande do Sul os Conselhos Regionais de Desenvolvimento – COREDES - efetivaram os planos estratégicos em vinte e sete regiões. Em uma pesquisa que aconteceu entre os anos de 2013 e 2014 foram avaliadas diversas dimensões deste planejamento. Assim, o presente artigo discute a percepção dos atores sociais envolvidos no processo de planejamento, sobre a dimensão escalar. Para possibilitar a análise, o território e as escalas espaciais são considerados resultado de construções sociais e históricas, atuando a partir da relação dialética entre o movimento da globalização e o contra movimento dos territórios. A abordagem metodológica da pesquisa é qualitativa descritiva. Ao finalizar, o texto tanto destaca a dimensão escalar, enquanto unidades de análise, das regiões em que aconteceu o planejamento; como enfatiza também, enquanto categoria prática, as percepções dos atores nas relações, na ação e no planejamento intra e interescalar.